Principais tendências em Alimentos, Nutrição e Saúde 2022

Principais tendências em Alimentos, Nutrição e Saúde 2022

A New Nutrition Business acaba de lançar sua última avaliação das principais tendências em Alimentos, Nutrição e Saúde. Ela revela alguns potenciais impactos da pandemia da COVID-19 a longo prazo e certas mudanças evolutivas interessantes nas percepções dos consumidores. 
 
A equipe da NNB preparou mais uma vez o relatório anual de tendências, que revela as mudanças mais importantes na percepção e nos comportamentos dos consumidores.
 
Ao considerar se uma tendência tem o potencial para ser incluída em nossa lista de principais tendências, a avaliamos com base em oito parâmetros: aspectos como mudanças regulatórias, tendências de consumo e qualquer nova tecnologia de ingredientes que apareça. Analisamos se a ciência da nutrição respalda a alegação feita. Observamos o que está acontecendo no mercado e como está o cenário competitivo. E tudo isto significa que, de um ano ao outro, os títulos de nossas principais tendências não mudam muito. O que muda é a classe de "subtítulos", as nuances na execução e no desenvolvimento.
 
Queremos compartilhar algumas das mudanças mais importantes para 2022.
 
A batalha de proteínas está acabando: a densidade de nutrientes está surgindo
 
Há alguns anos, todos falavam sobre a proteína plant-based, de como ela mudaria o mundo e que todos deveríamos comer plantas. O espaço para as proteínas lácteas era limitado e as proteínas de origem animal eram bastante antiquadas. Penso que, atualmente, o panorama mudou bastante em relação a isso. Toda esta área de densidade de nutrientes surgiu na principal mudança para este ano e se transformou em uma tendência por si só.
 
E ela traz muitas oportunidades para os lácteos, entre outros produtos. É a ideia de que os consumidores desejam obter mais por seu dinheiro. Eles buscam alimentos que não só sejam baixos em calorias, por exemplo, mas que também ofereçam um perfil nutricional rico por caloria consumida. Isto tem sido impulsionado pelo fato de que o Guia Alimentar dos EUA agora incorpora esta ideia de densidade de nutrientes. Em nosso estudo de cinco países, todos os anos perguntamos aos consumidores suas opiniões e percepções sobre diversos aspectos de saúde e nutrição. Pela primeira vez neste ano perguntamos sobre a densidade de nutrientes. Foi uma surpresa quando descobrimos que, em média, 12% dos consumidores já creem que entendem o que isso significa. É uma porcentagem relativamente alta para um conceito novo. 
 
Há muitas maneiras de estabelecer um vínculo positivo entre a densidade de nutrientes e os problemas de saúde ou o alívio destes. E, obviamente, a COVID colocou isto em destaque.
 
A gordura favorece o desenvolvimento de novos produtos
 
A gordura é uma grande notícia. Já vinha sendo por alguns anos, mas agora realmente vemos que os consumidores estão perdendo o medo dela nos produtos, o que é excelente sob a perspectiva dos desenvolvedores de produtos. A gordura proporciona uma sensação espetacular na boca, pode oferecer a oportunidade de reduzir os níveis de dulçor e, muitas vezes, não é necessário adicionar tantos outros ingredientes como se para eliminá-la, o que possibilita ter uma lista de ingredientes mais limpa. Em relação à atratividade para os consumidores, é muito fácil atrai-los com um produto que seja bastante cremoso e suculento. Também é interessante para as pessoas que estão tentando controlar o peso. As dietas cetogênicas estão cada vez mais populares no mundo todo e têm um teor de gordura mais alto que a maioria das demais dietas. Estar em uma dieta e poder comer algo com um sabor fantástico, suculento e cremoso é uma mensagem com que os consumidores realmente se identificam e estamos observando que esta classe de produtos está se tornando mais popular. Isso se aplica bem aos lácteos em geral. Por exemplo, no supermercado Marks and Spencer, no Reino Unido, é possível encontrar um iogurte grego com 0% de gordura e uma versão com 10%; eles são vendidos um ao lado do outro e os dois têm o mesmo logotipo saudável "Eat Well" (Coma bem). Isto seria considerado impossível há três ou quatro anos, porque as recomendações em relação à dieta estavam muito concentradas na redução de gordura. Este é um excelente exemplo sobre o desenvolvimento de novos produtos.
 
A sustentabilidade é imprescindível
 
Hoje em dia, a sustentabilidade impulsiona mais do que nunca as decisões de compra dos consumidores, que estão cada vez mais dispostos a gastar dinheiro para escolher uma opção que considerem mais sustentável. O panorama está mudando e podemos ver isto, por exemplo, na indústria da carne, onde "alimentado com pasto" demonstrou ser uma mensagem de marketing com que os consumidores se identificam e que possibilita um preço superior. A carne proveniente de vacas alimentadas com pasto sugere um gado criado em uma fazenda menor, onde o produtor cuida de seus animais com zelo e prioriza seu bem-estar. 
 
Premiumização impulsionada pela COVID-19
 
A vida dos consumidores ficou muito limitada por um longo período e, durante o lockdown causado pela pandemia, houve tão poucas novidades e variedades que muitas pessoas aproveitaram esse tempo para experimentar novos alimentos. Os dados mostram que as vendas de eletrodomésticos para a cozinha aumentaram em até 100% durante o primeiro lockdown, pois os consumidores perceberam que tinham tempo disponível para tentar coisas novas na cozinha. Eles tiveram mais tempo para pesquisar ingredientes e buscar discussões nas redes sociais e blogs sobre novos alimentos e, assim, estão mais informados. Eles também tiveram mais tempo para experimentar e, no que diz respeito aos alimentos em geral, muitos realizaram mudanças. Por exemplo, para comer em casa, eles compraram alimentos de alta gastronomia, no estilo de restaurante, em vez da comida do dia a dia ou para levar. Veremos se isto continuará em breve; estamos ingressando em um período de insegurança econômica, um dos muitos efeitos colaterais da pandemia. Mas, historicamente, em momentos de dificuldade financeira, os consumidores tendem a recorrer aos alimentos como gratificações econômicas. Espero ver muito mais disso e também que a premiumização se converta em uma tendência em poucos anos.
 
A fragmentação está acelerando
 
Nos últimos anos, a ideia da fragmentação do mercado dos alimentos saudáveis se fortaleceu e a COVID ajudou em sua aceleração. A indústria de alimentos e bebidas está se convertendo em um mercado de nichos. Os consumidores cada vez mais pesquisam e formam sua própria opinião sobre o que acreditam ser saudável. Além disso, eles buscam produtos que sejam assim. Uma pessoa pode decidir que um alto teor de gordura seja benéfico e buscará produtos com esta característica. Outra pessoa talvez busque uma dieta baixa em carboidratos ou plant-based, ou escolha evitar os grãos, por exemplo. Do ponto de vista de desenvolvimento de novos produtos, isso significa que as possibilidades de encontrar um grupo de consumidores que esteja suficientemente interessado em comprar seu produto são provavelmente muito mais altas do que já foram, porém, é muito provável que esses grupos sejam menores. É possível que as empresas bem-sucedidas tenham um portfólio de produtos cada vez mais amplo que aborde as necessidades de grupos de consumidores de tamanho reduzido.
 
Espero que estas ideias possam fortalecer suas estratégias e o processo de desenvolvimento de novos produtos. Desejo a todos vocês sucesso em tempos muito turbulentos.
 

Exclusivo para clientes da Arla Foods Ingredients: Se estiver interessado (a) em mais detalhes sobre este relatório, entre em contato com seu gerente de conta.